26 de novembro de 2015

Bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul

Em uma bacia hidrográfica existem várias sub-bacias ou áreas de drenagem de cada contribuinte. Estas são as unidades fundamentais para a conservação e o manejo, uma vez que a característica ambiental de uma bacia reflete o somatório ou as relações de causa e efeito da dinâmica natural e ação humana ocorridas no conjunto das sub-bacias nela contidas. A bacia hidrográfica serve como unidade básica para gestão dos recursos hídricos e até para gestão ambiental como um todo, uma vez que os elementos físicos naturais estão interligados pelo ciclo da água. 
Para o Rio Grande do Sul, de acordo com a Lei 10.350/1994, foi determinada a existência de três Regiões Hidrográficas, as quais foram subdivididas em bacias hidrográficas, totalizando, até o presente momento, 25 unidades. Para cada uma destas está previsto a formação de um comitê para a gestão integrada dos seus recursos hídricos.
As bacias hidrográficas se agrupam por três regiões hidrográficas, a região do rio Uruguai que coincide com a bacia nacional do Uruguai, a região do Guaíba e a região do Litoral, que coincidem com a bacia nacional do Atlântico Sudeste.

Bacias Hidrográficas do RS
Cada uma das regiões hidrográficas abaixo são formadas por várias bacias hidrográficas. Para conhecê-las clique no nome da região hidrográfica.

A Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí situa-se na porção centro-norte do Estado do Rio Grande do Sul. Abrange as Províncias Geomorfológicas Planalto Meridional e Depressão Central. Possui área de 12.985,44 km², abrangendo municípios como CarazinhoCruz AltaPasso FundoSobradinho e Tupanciretã, com população estimada em 366.628 habitantes. Os principais cursos de água são os rios Jacuí, Jacuí-mirim, Jacuizinho, dos Caixões e Soturno. Os principais usos da água se destinam a irrigação, dessedentação animal e consumo humano.

Bacia do Alto Jacuí apresenta maiores volumes de agrotóxicos por área cultivada
A Secretaria Estadual da Saúde realizou um levantamento do uso de agrotóxicos e o seu impacto na qualidade da água dos mananciais gaúchos. O estudo apontou que muitos tipos de químicos não fazem parte da lista de produtos que têm limites aceitáveis normatizados pelo Ministério da Saúde. Apesar deles serem eliminados no tratamento antes do consumo humano, garantindo a sua potabilidade, o estudo propõe que esses outros pesticidas também passem a ter sua concentração na água verificada nas análises laboratoriais feitas rotineiramente.
O estudo - realizado entre 2009 e 2010 - foi coordenado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) e abrangeu as 24 bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul. Através da aplicação de questionários com agricultores de 72 cidades gaúchas (três por bacia hidrográfica), ele levantou dados sobre o tipo e volume dos agrotóxicos utilizados em 15 diferentes culturas. Também foram analisadas as características físicas-químicas dos agrotóxicos em uso.
A região Noroeste do Estado foi a que apresentou os maiores volumes de agrotóxicos por área cultivada, chegando a 919 litros por quilômetro quadrado ao ano na Bacia do Alto Jacuí. A região é grande produtora de milho, soja e trigo. A estimativa do uso de agrotóxicos no RS para a safra 2009/2010 teve, de acordo com a análise, média de 320,2 L/Km2/ano. Com base nos cálculos, foram identificado os compostos mais utilizados no Estado, destacando-se o glifosato, amplamente utilizado em diferentes culturas por ser um herbicida sistêmico não seletivo. Entre os dez compostos mais usados, ele é o único que consta na atual norma nacional de controle.

Microbacia hidrográfica do Lajeado da Cruz
A microbacia hidrográfica do Lajeado da Cruz encontra-se inserto na Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí, na região hidrográfica do Guaíba.
Esta área é predominada por lavouras e pastagens e a área com matas ciliares é de cerca de 8%, sendo uma microbacia que sofre com o desmatamento, com o lixo em suas margens, com a lavagem e descarte de produtos utilizados na lavoura como embalagem de inseticidas e herbicidas.
É importante ressaltar o conflito socioambiental existente entre os produtores rurais situados às margens do arroio Lajeado da Cruz e o Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí (COAJU), devido a inadequada utilização da microbacia, o que vem causando a degradação ambiental do arroio.
A microbacia hidrográfica do Arroio Lajeado da Cruz situa-se em área de característica eminentemente rural no Município de Cruz Alta – RS, sendo utilizada para o cultivo agrícola, como o plantio de trigo, soja, milho e azevém, com importância estratégica por constituir-se em ponto de captação da água fornecida ao município de Cruz Alta – RS.
A microbacia do Lajeado da Cruz é Área de Proteção Ambiental (APA).

Fonte: Secretaria do Meio AmbienteABES-RS, CBHPFEco AgênciaPro Guaíba.     Monitoramento da Qualidade Ambiental na Microbacia do Lajeado da Cruz,  A mediação como exercício da cidadania na solução dos conflitos socioambientais: o caso dos produtores rurais situados às margens da microbacia hidrográfica do arroio Lajeado da Cruz

25 de novembro de 2015

Bacias hidrográficas do Brasil


Divisão Hidrográfica Nacional (mapa)
Pela Resolução Nº 32, de 15 de outubro de 2003, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, "Considera-se como região hidrográfica o espaço territorial brasileiro compreendido por uma bacia, grupo de bacias ou sub-bacias hidrográficas contíguas com características naturais, sociais e econômicas homogêneas ou similares, com vistas a orientar o planejamento e gerenciamento dos recursos hídricos". 

Bacia Hidrográfica Amazônica: com sete milhões de quilômetros quadrados, essa é a maior bacia hidrográfica do mundo. No Brasil, ela compreende uma área de 3.870.000 km², estando presente nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Pará.
Bacia Hidrográfica do Tocantins-Araguaia: é a maior bacia de drenagem exclusivamente brasileira (767.059 quilômetros quadrados). Os principais rios são o Tocantins, que nasce em Goiás e desemboca na foz do rio Amazonas; e o rio Araguaia, que nasce na divisa de Goiás com Mato Grosso e se junta ao rio Tocantins na porção norte do estado do Tocantins.
Bacia Hidrográfica do São Francisco: com aproximadamente 640 mil quilômetros quadrados, essa bacia hidrográfica tem como principal rio o São Francisco, que nasce na Serra da Canastra (MG) e percorre os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe até a foz, na divisa entre esses dois últimos estados.
Bacia Hidrográfica do Paraná: essa é a principal porção da bacia Platina (compreende os países da Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai). No Brasil, a bacia hidrográfica do Paraná possui 879.860 quilômetros quadrados, apresentando rios de planalto e encachoeirados, características elementares para a construção de usinas hidrelétricas: Furnas, Água Vermelha, São Simão, Capivari, Itaipu (a maior usina do mundo), entre tantas outras.
Bacia Hidrográfica do Parnaíba: está presente nos estados do Piauí, Maranhão e na porção extremo oeste do Ceará, totalizando uma área de 344.112 quilômetros quadrados.
Bacia Hidrográfica do Atlântico Nordeste Oriental: com extensão de 287.348 quilômetros quadrados, a bacia hidrográfica do Atlântico Nordeste Oriental está presente em cinco estados nordestinos: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas.
Bacia Hidrográfica Atlântico Nordeste Ocidental: seus principais rios são o Gurupi, Pericumã, Mearim, Itapecuru Munim e Turiaçu. Essa bacia de drenagem possui 254.100 quilômetros quadrados, compreendendo áreas do Maranhão e Pará.
Bacia Hidrográfica Atlântico Leste: com extensão de 374.677 quilômetros quadrados, essa bacia hidrográfica engloba os estados de Sergipe, Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. Em sua região é possível encontrar fragmentos de Mata Atlântica, Caatinga, Cerrado e vegetação costeira.
Bacia Hidrográfica Atlântico Sudeste: presente nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, a região hidrográfica Atlântico Sudeste apresenta 229.972 quilômetros quadrados. Ela é formada pelo rio Doce, Itapemirim, São Mateus, Iguape, Paraíba do Sul, entre outros.
Bacia Hidrográfica Atlântico Sul: com área de 185.856 quilômetros quadrados, essa bacia hidrográfica nasce na divisa entre os estados de São Paulo e Paraná, percorrendo até o Rio Grande do Sul. Com exceção do Itajaí e Jacuí, os rios que formam essa bacia de drenagem são de pequeno porte.
Bacia Hidrográfica do Uruguai: é composta pela junção dos rios Peixe e Pelotas. Com área de 174.612 quilômetros quadrados, essa bacia hidrográfica está presente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Possui grande potencial hidrelétrico, além de ser importante para a irrigação nas atividades agrícolas da região.
Bacia Hidrográfica do Paraguai: no Brasil, essa bacia hidrográfica está presente nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, englobando uma área de 361.350 quilômetros quadrados. Tem como principal rio o Paraguai, que nasce na Chapada dos Parecis (MT). Possui grande potencial para a navegação.

Questões sobre Bacias Hidrográficas

1) Uma bacia hidrográfica representa toda a área em que há uma mesma drenagem de água, envolvendo sempre um rio principal e os seus afluentes e subafluentes, que, juntos, formam uma rede hidrográfica. A consideração principal para distinguir ou “separar” uma bacia hidrográfica da outra é:
a) a extensão do rio principal
b) o limite entre os divisores de água
c) a hierarquia que compõe a rede hídrica
d) a quantidade de chuvas e suas direções
e) as oscilações nas formas de relevo

2) (ENEM) A situação atual das bacias hidrográficas de São Paulo tem sido alvo de preocupações ambientais: a demanda hídrica é maior que a oferta de água e ocorre excesso de poluição industrial e residencial. Um dos casos mais graves de poluição da água é o da bacia do alto Tietê, onde se localiza a região metropolitana de São Paulo. Os rios Tietê e Pinheiros estão muito poluídos, o que compromete o uso da água pela população.
Avalie se as ações apresentadas abaixo são adequadas para se reduzir a poluição desses rios.
I) Investir em mecanismos de reciclagem de água utilizada nos processos industriais.
II) Investir em obras que viabilizem a transposição de águas de mananciais adjacentes para os rios poluídos.
III) Implementar obras de saneamento básico e construir estações de tratamento de esgotos.
a) apenas em I.
b) apenas em II.
c) apenas em I e III.
d) apenas em II e III.
e) em I, II e III.

3) (UCS) O Brasil tem um grande potencial em sua rede hidrográfica, por apresentar rios caudalosos, grande volume d’água, predomínio de rios perenes, de foz em estuário, de regime pluvial de drenagem exorreica, de grande potencial hidráulico e outros. Observe o mapa das bacias hidrográficas brasileiras.
A linha que vai de “A” a “B” passa sobre três bacias hidrográficas, que são
a) Amazônica, do Tocantins-Araguaia, do Nordeste.
b) do São Francisco, do Nordeste, do Leste.
c)Platina, do São Francisco, do Sul-Sudeste.
d) do Tocantins-Araguaia, do São Francisco, do Leste.
e) do Norte, Platina, do Leste.

4) (CEFET-MG) Sobre as bacias hidrográficas brasileiras, afirma-se que
I – a Bacia Amazônica, de regime pluvial e nival, é a maior do Brasil.
II – a característica climática semiárida inviabiliza a geração hidrelétrica na Bacia do São Francisco.
III – a maior produção hidroelétrica brasileira é verificada na Bacia do Paraná.
IV – a expansão da soja tem impactado os rios da Bacia do Paraguai.
V – a maior ilha fluvial do mundo, a do Bananal, encontra-se no interior da Bacia do Rio Parnaíba.
Estão corretas apenas as afirmativas:
a) I, II e III.
b) I, II e V.
c) I, III e IV.
d) II, IV e V.
e) III, IV e V.

5) (ESPM) Observe o texto e os mapas que seguem:
Responsável por 12% das reservas de água doce disponíveis no mundo, o Brasil possui oito principais bacias hidrográficas, distribuídas desigualmente em seu território. Enquanto 70% do volume da água brasileira se concentra na ______________, um volume inferior a 5% das reservas estão na região Nordeste do País. Tal divisão dificulta o acesso nacional à água tratada e exige ainda mais de cada estado nos cuidados com o recurso natural.
A bacia hidrográfica que preenche o espaço no texto está representada pela letra:
a) A
b) B
c) C
d) D
e) E

6) (FEI) Para responder à questão, interprete o mapa a seguir:
As áreas preenchidas na cor cinza no mapa correspondem:
a) à bacia hidrográfica do Paraguai e do São Francisco.
b) à bacia hidrográfica do Paraná e do Araguaia-Tocantins.
c) ao bioma de cerrado e da caatinga.
d) à vegetação do Complexo do Pantanal e da Caatinga.
e) às áreas de mais baixa densidade populacional do país.

7) (UENP) Observe a figura a seguir e assinale a alternativa correta. Bacias hidrográficas do Brasil
a) A bacia hidrográfica do Rio Amazonas apresenta a maior área geográfica e a de maior potencial hidráulico instalado no território brasileiro.
b) A bacia dos Rios Araguaia e Tocantins drenam algumas unidades federativas como Goiás, Tocantins, Maranhão, Piauí, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Pernambuco e Pará.
c) A região do pantanal mato-grossense está inserida na região drenada pela bacia do Rio Paraguai.
d) A região do sertão nordestino é drenada pelas bacias dos Rios São Francisco e Paraíba.
e) As bacias do Atlântico Sul, Atlântico Sudeste, Atlântico Leste, Atlântico Nordeste Oriental e Atlântico Nordeste Ocidental possuem os rios de menor extensão territorial, porém de maior potencial hidráulico do país.

8) (UCPEL) Entende-se como bacia hidrográfica o conjunto de terras drenadas pelas águas de um rio principal e seus afluentes. Embora o Brasil apresente problemas de escassez de água no Nordeste, reúne as maiores bacias hidrográficas do planeta.
Analise a seguinte afirmativa. A maior bacia hidrográfica do mundo apresenta extenso percurso navegável e drena áreas do Brasil e de outros países sul-americanos, apresentando, também, um grande potencial hidrelétrico ainda muito fracamente aproveitado.
O texto da afirmativa se refere à Bacia
a) Platina.
b) do Tocantins-Araguaia.
c) Amazônica.
d) do São Francisco.
e) do Orinoco

9) (UFAC) Com relação à Hidrografia Brasileira, é incorreto afirmar:
a) Em regiões planálticas, os rios brasileiros apresentam um enorme potencial hidrelétrico, bastante explorado no Centro-Sul e nos rios São Francisco e Tocantins.
b) O Brasil não possui lagos tectônicos, pois as depressões tornaram-se bacias sedimentares.
c) Em vários pontos do país há corredeiras, cascatas e, em algumas áreas, rios subterrâneos, o que favorece o turismo.
d) A Bacia Amazônica é a maior do planeta, drena cerca de 56 % do território brasileiro e tem suas vertentes delimitadas pelos divisores de água da Cordilheira dos Andes, pelo Planalto das Guianas e Planalto Central.
e) Todos os rios brasileiros possuem regime simples pluvial.

10) As diferentes bacias hidrográficas possuem diferentes utilidades e importâncias para a sociedade. Em regra geral, as bacias planálticas, com relevos mais íngremes e acidentados, possuem um potencial hidrelétrico superior às bacias de planícies.
Com base no exposto, podemos afirmar:
I. A bacia amazônica possui um baixo potencial hidrelétrico em seu leito principal.
II. Bacias hidrográficas com baixo potencial hidrelétrico tendem a apresentar uma maior navegabilidade.
III. A maior parte dos rios brasileiros, portanto, é de elevado potencial para a geração de eletricidade.
IV. A bacia do São Francisco, em função de suas características, não pode ser utilizada para a construção de barragens.
Sobre as alternativas acima, é correto dizer que:
a) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
b) Apenas a afirmativa I e IV estão corretas.

c) Apenas as afirmativas I, II e III estão corretas.
d) Apenas as afirmativas II, III e IV estão corretas.
e) Todas as afirmativas estão corretas.

Fonte: Brasil Escola, SOS Rios do Brasil, Exercícios Mundo Educação, Geo - Conceição, Geografia e anarquia, Hélio dos Santos Chagas

24 de novembro de 2015

O que é uma nascente e como deve ser protegida

A nascente é o afloramento da água subterrânea que forma um curso d´água, como os rios, córregos e reservatórios.Toda nascente necessita que a vegetação nativa do seu entorno seja protegida. Vegetação nativa é aquela natural à região. Essa proteção é obrigatória num raio de 50 metros.Em diversas propriedades rurais, as nascentes vêm diminuindo suas vazões ou, em muitos casos, até secando.Os córregos, rios e demais cursos d'água também sofrem os mesmos problemas, pois dependem das nascentes para sua manutenção e sobrevivência.Além de compreender a importância vital das nascentes, é fundamental reconhecer a sua fragilidade diante das agressões às quais estão sujeitas, principalmente em decorrência das atividades humanas. As queimadas, os desmatamentos, a erosão do solo e o pisoteio de animais são alguns exemplos dessas agressões.Nesse sentido,  as nascentes precisam ser adotadas, protegidas e, se for o caso, recuperadas.
Solo-cimento é uma técnica simples e de baixo custo que protege as nascentes por tempo indeterminado
Fonte: Blog Ambiente de Luz, Ciflorestas, Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, Tudo Santa Tereza

O que é uma bacia hidrográfica

Bacias hidrográficas são áreas da superfície terrestre separadas topograficamente entre si pelos chamados divisores de águas. Essas áreas fazem a recepção natural das águas das chuvas, que escoam por meio da rede hidrográfica, ou rede de drenagem (captação), que é formada por diversos cursos d’água: córregos, ribeirões, rios, etc. As águas escoam das áreas mais altas para as mais baixas do relevo, até concentrarem-se na parte mais baixa, formando um rio principal Os rios que deságuam no rio principal chamam-se afluentes, e os que deságuam nestes últimos são os subafluentes.
Composição da Bacia Hidrográfica
A Bacia Hidrográfica compõe-se principalmente de dois aspectos:relevo e rede hidrográfica.
Relevo
É o conjunto de formas da superfície do planeta Terra, planos interconectados que apresentam diferentes níveis (denominados, por exemplo, de: montanhas, planaltos, planícies, depressões, etc.) resultantes de fatores endógenos (vulcanismo e tectonismo) e exógenos (intemperismo e intervenções humanas).
As diferenças de níveis do relevo fazem com que as águas escoem das partes mais altas para as mais baixas, formando, assim, a rede hidrográfica.
Rede hidrográfica ou rede de drenagem
É um sistema ‘natural’ – composto por rios, seus afluentes e subafluentes, e por lagos, lagoas e outros cursos d’água – e/ou ‘artificial’ – construído pelo ser humano, a exemplo das galerias pluviais, rede de drenagem das edificações, etc.
É formada por canais interconectados que drenam (escoam) as águas superficiais, geralmente provenientes de chuvas e que podem infiltrar-se no solo, acumular-se em certos locais (por exemplo: lagos, poças, represas, etc.), ou seguir seu curso por ação da gravidade, indo das partes mais altas do relevo para as mais baixas, formando um conjunto de rios: principal, afluentes e subafluentes.
Os divisores de águas (ou interflúvios) são linhas divisórias localizadas nas áreas mais elevadas do relevo, no encontro de planos que marcam a mudança de sentido no escoamento das águas da rede hidrográfica. Essas linhas formam um polígono que delimita a bacia hidrográfica, separando-a de outras bacias hidrográficas vizinhas.
As depressões com bordas laterais (margens), nas quais afloram lençóis freáticos e formam-se várzeas e cursos d’água como rios e riachos, são denominadas de fundos de vale.
Mapa das bacias hidrográficas brasileiras
Fonte: Fórmula GeoCuide dos Rios Jota Lobo, Geo-Conceição, ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica, IBGE.

23 de novembro de 2015

Planisférios em tamanho grande

Aqui vai uma série de mapas mundi que você pode conseguir no tamanho grande diretamente no site Zonu.com, em inglês,  e escolher o mapa que mais te agradar, já que a variedade é grande. 
Mapa mundi político
Os países do mundo
Mapa dos continentes
Mapa mundi político 2009
Produto interno bruto por países 2008
Escassez de água no mundo

Mapa mundi mudo

9 de novembro de 2015

A Proclamação da República

A Proclamação da República é comemorada no dia 15 de novembro. É importante saber que o povo, as pessoas comuns, não fizeram parte desse movimento. Não foi uma manifestação popular que terminou com a monarquia no Brasil, não foi a insatisfação popular que promoveu a queda da monarquia e articulou  o movimento republicano. Ele veio de grupos de elites, pessoas ricas e muito poderosas  insatisfeitas, que queriam maior autonomia para as suas províncias. O grupo mais poderoso era o dos cafeicultores,  representando o Brasil rural. Nas áreas urbanas quem apoiava fortemente a República eram os profissionais liberais e a ala jovem do exército. Então conclui-se que o povo foi tomado de surpresa por um movimento pelo qual ele não fez parte.
Óleo sobre tela "Proclamação da República" - Benedito Calixto (1893)
Imagem: educacao.uol.com.br

E se tivesse internet em 1889!
Fonte: HistóriaS: Proclamação da República

Projeto Proclamação da República


Projeto 1

A Proclamação da República é uma data cívica que não pode deixar de ser trabalhada. já que estamos inseridos no regime republicano. O que é República? Para responder a essa pergunta é necessário compreender os ideais republicanos que foram se modificando ao longo da história, os interesses individuais e coletivos dos protagonistas da luta pela República e a infra-estrutura dos países republicanos na atualidade.
1º momento: 
Diálogo com a turma sobre a data: Os alunos deverão colocar em uma caixinha, perguntas sobre o tema. Logo depois todos irão ler e fazer uma lista de perguntas para em seguida, realizar uma pesquisa. São divididas as perguntas em dupla, grupos ou individualmente, para que os alunos em um prazo determinado tragam as perguntas respondidas.
2º momento: 
Com as respostas em mãos, é feita uma roda dialógica, onde as perguntas serão feitas oralmente e os próprios colegas tentarão responder, como maneira de provocar uma conversa reflexiva sobre o assunto. É importante que o professor oriente os alunos o tempo todo, assegurando a disciplina, o respeito e a dinâmica da atividade. Encontradas as respostas, será feito um painel com o tema: Tudo o que você quer saber sobre a República.
3º momento: 
Os alunos avaliam o painel e dizem o que aprenderam e o que ainda querem saber. Depois o professor distribui uma apostila com exercício, sistematizando o assunto trabalhado. 
Importante: Entre um momento e outro, diversas atividades podem ser inseridas, como: estudo de casos, leitura coletiva e individual de artigos de revistas, jornais, leitura do manifesto republicano (veja trechos a seguir), pesquisa na internet, painel com fotos, pesquisa e reflexão sobre o hino da República, etc.
4º momento: 
Análise da República Brasileira hoje: Levantamento de problemas, vantagens e desvantagens, e sugestão de soluções. Para esta atividade, é importante que se faça todos os passos anteriores, assim os alunos terão subsídios para avaliar os fatos de maneira reflexiva e dialética e emitir sugestões com mais segurança. 
5º momento:
Apresentação do Projeto: Uma apresentação que se transforme num grande evento, com música, ludicidade, teatralidade, decoração de ambiente, exposição de fotos e vídeos. Assim, os alunos irão aprendendo de maneira participativa e prazerosa, se sentido co-criadores da organização sociopolítica do país.
Fonte: Educadores de Sucesso



Meio ambiente em quadrinhos


Fonte: Meninas da Pedagogia



Fonte: O que você pode fazer?

Fonte: Meio ambiente 6

Fonte: Unidos por um mundo melhor
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...